terça-feira, 25 de junho de 2013

Debates: “Do fato social à obra de arte”

Debates: “Do fato social à obra de arte”

Como parte da programação da mostra Onde o rio acaba acontecem nos dias 26 e 27 de junho duas conversas abertas ao público, com Mônica Nador e Nuno Ramos, respectivamente, no Ateliê 397.
No dia 26/6, quarta-feira, às 21h, a artista plástica Mônica Nadorconversa com a crítica de arte Thais Rivitti sobre o projeto que vem desenvolvendo desde 1998, chamado “Paredes Pinturas”. O trabalho consiste na pintura de estabelecimentos comerciais, residências e espaços públicos, sempre em conjunto com a comunidade local que faz os desenhos, aprende a técnica do estêncil e realiza a pintura. Incorporado às atividades do JAMAC – Jardim Miriam Arte Clube – desde a sua fundação, em 2003, o projeto opera uma indistinção de limites entre ação artística e social.
Na ocasião, será lançado o livro “Mônica Nador e JAMAC”, um realização da Galeria Luciana Brito e da Pinacoteca do Estado de São Paulo, que aborda a trajetória da artista e a história do Clube.
No dia 27/6, quinta-feira, às 21h, o artista Nuno Ramos e Thais Rivitticonversam sobre a obra 111, de 1992. A obra tem como referência o massacre do Carandiru, no qual 111 presidiários foram assassinados em São Paulo. A proposta é revisitar uma das obras mais emblemáticas da produção brasileira recente no que diz respeito às articulações possíveis entre arte e política.

Debates “Do fato social à obra de arte”
26/6, 21h
Conversa com Mônica Nador e lançamento do livro “Mônica Nador e Jamac”
27/6, 21h
Conversa com Nuno Ramos


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não será permitido comentários ofensivos.