sexta-feira, 25 de março de 2011

Brasil: 1964-2011 – Balanço e Perspectivas

Governo de São Paulo - Secretaria de Estado da Cultura e Memorial da Resistência de São Paulo

convidam para a palestra


Brasil: 1964-2011 – Balanço e Perspectivas

Palestrante: Profa. Dra. Maria Aparecida de Aquino



2 de abril de 2011 (sábado)
10h30 às 13h
Auditório Vitae - Estação Pinacoteca


Dando continuidade ao trabalho iniciado em 2010, o primeiro Encontro de Aprofundamento
Temático deste ano apresenta a palestra “Brasil: 1964-2011 – Balanço e Perspectivas”,
para marcar a data do golpe de Estado que deu início à ditadura militar no país – o dia 1º de
abril de 1964. Terá como enfoque não apenas o contexto político-social desse momento
histórico, mas também a perspectiva atual das consequências deixadas pelos 21 anos de
regime militar (1964-1985).
A palestra, voltada a educadores, estudantes e demais interessados, é uma oportunidade de
diálogo e discussão sobre o tema.

Maria Aparecida de Aquino
Possui mestrado e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo - USP.
Atualmente é professora adjunta da Universidade Presbiteriana Mackenzie (São Paulo/SP) e
professora titular aposentada da Universidade de São Paulo - USP. Apresenta renomada
experiência em pesquisa e ensino na área de História do Brasil, atuando principalmente com
os temas: censura, imprensa, ditadura militar, autoritarismo e relações políticas
contemporâneas.

Inscrições:
Telefones (11) 3324.0943 ou 0944, com Valdir ou Heber,
de segunda à sexta-feira, das 10h às 18h
Entrada Franca

terça-feira, 22 de março de 2011

Professor "novato" desiste de aulas na rede estadual

Textoi na integra da Folha:

Por dia, dois docentes recém-concursados abandonam escolas em São Paulo
Principal reclamação é sobre falta de estrutura na rede; governo afirma que desistências estão dentro do esperado

FÁBIO TAKAHASHI
DE SÃO PAULO



Formado na USP, Edson Rodrigues da Silva, 31, foi aprovado ano passado no concurso público da rede estadual para ensinar matemática. Passou quatro meses no curso preparatório obrigatório do Estado para começar a lecionar neste ano no ABC paulista. Ao final do primeiro dia de aula, desistiu.

"Vi que não teria condições de ensinar. Só uma aluna prestou atenção, vários falavam ao celular. E tive de ajudar uma professora a trocar dois pneus do carro, furados pelos estudantes. Se continuasse, iria entrar em depressão. Não vale passar por isso para ganhar R$ 1.000 por 20 horas na semana."

Silva diz que continuará apenas na rede privada. Como ele, outros efetivados neste ano pelo governo já desistiram das aulas, passados apenas 39 dias do início das aulas, sendo 25 letivos.

Até sexta-feira, 60 já haviam finalizado o processo de exoneração, a pedido, média de mais de dois por dia letivo. Volume não informado pela Secretaria da Educação está com processo em curso.

A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) diz ser normal o número de desistências, considerando a quantidade de efetivações (9.300). Educadores, porém, discordam.

Para a coordenadora do curso de pedagogia da Unicamp, Maria Marcia Malavasi, "o cenário é triste; especialmente na periferia, os professores encontraram escolas sem estrutura, profissionais mal pagos, amedrontados e desrespeitados."

DESMOTIVAÇÃO
As desistências têm diferentes motivações. Entre as principais citadas por exonerados ouvidos pela Folha estão falta de condições de trabalho (salas lotadas, por exemplo), desinteresse de alunos e baixos salários.
"Muitos alunos não apresentam condições mínimas para acompanhar o ensino médio e têm até uma postura agressiva com o professor", disse Juliana Romero de Mendonça, 25, docente de química. "A realidade da escola é diferente da mostrada no curso", afirmou Gilson Lopes Silva, 30, de filosofia.
O concurso selecionou docentes de todas as matérias do final dos ensinos fundamental e médio, séries com muitos temporários e mais problemas de qualidade.
Atenção para a colocação da APEOESP:
Para Maria Izabel Noronha, presidente do sindicato do magistério, além de condições precárias da rede, "a formação nas universidades não é satisfatória, pois elas trabalham com uma escola irreal, de alunos quietinhos". Ela exige que o Estado dê mais tempo aos docentes para a formação em serviço.

Professor "novato" desiste de aulas na rede estadual de SP

21/03/2011 - 03h30


Professor "novato" desiste de aulas na rede estadual de SP

Publicidade

DE SÃO PAULO

Professores recém-concursados desistem de ensinar na rede estadual de São Paulo. Entre as principais reclamações estão falta de condições de trabalho (salas lotadas, por exemplo), desinteresse de alunos e baixos salários, informa a reportagem de Fábio Takahashi publicada na edição desta segunda-feira da Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

Edson Rodrigues da Silva, 31, formado na USP, foi aprovado ano passado no concurso público da rede estadual para ensinar matemática. Passou quatro meses no curso preparatório obrigatório do Estado para começar a lecionar neste ano no ABC paulista. Ao final do primeiro dia de aula, desistiu.
"Vi que não teria condições de ensinar. Só uma aluna prestou atenção, vários falavam ao celular. E tive de ajudar uma professora a trocar dois pneus do carro, furados pelos estudantes. Se continuasse, iria entrar em depressão. Não vale passar por isso para ganhar R$ 1.000 por 20 horas na semana."
Até a última sexta-feira (18), 60 professores já haviam finalizado o processo de exoneração, a pedido, média de mais de dois por dia letivo.
A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) diz ser normal o número de desistências, considerando a quantidade de efetivações (9.30). No entanto, os educadores discordam.
Para a coordenadora do curso de pedagogia da Unicamp, Maria Marcia Malavasi, "o cenário é triste; especialmente na periferia, os professores encontraram escolas sem estrutura, profissionais mal pagos, amedrontados e desrespeitados."

sexta-feira, 18 de março de 2011

VII Encontro arte&meios tecnológicos

VII Encontro arte&meios tecnológicos



Projeto Amplificação - Leituras Críticas / Núcleo histórico



O VII Encontro arte&meios tecnológicos aborda maneiras com as quais a arte contemporânea rearticula processos históricos e de linguagem. Para tanto, investiga a produção artística brasileira baseada nos anos 1920-1990. Apresenta, com isso, interesses relacionados aos artistas Mario Peixoto, Flavio de Carvalho, Abraham Palatnik, Waldemar Cordeiro, Helio Oiticica, Lygia Clark, Mira Shendel, Julio Plaza, Regina Silveira e Rafael França.







Programação:




VII Encontro-Parte 1-ANOS 1960-1970

17 de março, 5ª. feira, das 18h às 22h

Helio Oiticica: Claudio Bueno/Leandro Carvalho

Lygia Clark: Josy Panão/Monique Allain

Local: FASM/Sala 207






VII Encontro-Parte 2-ANOS 1920-1960

30 de abril, sábado, das 14h às 18h

Mario Peixoto: Ana Paula Lobo

Flavio de Carvalho: Paula Garcia

Abraham Palatinik: Eduardo Salvino

Local: INTERMEIOS - Casa de artes e livros





VII Encontro-Parte 3-ANOS 1960-1970

19 de maio, 5ª. feira, das 19 às 22h

Waldemar Cordeiro: Denise Agassi

Mira Shendel: Marcelo Salum

Local: FASM/Sala 207


VII Encontro-Parte4-ANOS 1970-1990

18 de junho, sábado, das 14 às 18h

Julio Plaza: Ananda Carvalho/Mariana Shellard

Regina Silveira: Christine Mello

Rafael França: Lyara Oliveira

Local: INTERMEIOS - Casa de artes e livros



Inscrições gratuitas na secretaria do Mestrado, com Marina, ou pelo email pos-graduacao@fasm.edu.br. As inscrições deverão ser feitas até dois dias antes de cada uma das atividades relacionadas ao VII Encontro.
Serão oferecidos certificados mediante presença em pelo menos 75% das atividades (três das atividades).
Público alvo pesquisadores em arte, artistas, historiadores, críticos, curadores, arte educadores e estudiosos em geral, interessados em explorar aspectos contemporâneos dos processos da arte.


Local 1: Faculdade Santa Marcelina - FASM - Sala 207

Mestrado em Artes Visuais da Faculdade Santa Marcelina

Rua Dr. Emílio Ribas 89, Perdizes, São Paulo - SP

11-3824-5808, na Secretaria do Mestrado, ou pos-graduação@fasm.edu.br

Local 2: INTERMEIOS - Casa de artes e livros

Rua Luis Murat, 40, Vila Madalena, São Paulo - SP

11-2338-8851, ou cecilia@intermeioscultural.com.br


Informações adicionais:

Os Encontros do Grupo de Pesquisa arte&meios tecnológicos (CNPq/FASM) são promovidos semestralmente desde 2008, na Faculdade Santa Marcelina ou em ambientes exteriores a ela. Englobam reflexões e práticas que dialogam com a pesquisa do grupo e com estudiosos envolvidos com o campo da arte contemporânea.
O Grupo de Pesquisa arte&meios tecnológicos investiga os processos artísticos tendo em vista uma posição crítica e experimental no campo das relações da arte com as mediações tecnológicas. Tem início em janeiro de 2007 e integra a Linha de Pesquisa História, Crítica e Pensamento Curatorial do Mestrado em Artes Visuais da Faculdade Santa Marcelina. Desenvolve atividades relacionadas a projetos de pesquisa, grupos de estudo, encontros abertos, exposições, produção artística, crítica, curatorial e bibliográfica. De acordo com o atual projeto de pesquisa, Amplificação (triênio 2010-2012), é formado por: Christine Mello, Denise Agassi e Paula Garcia (coordenação), Ana Paula Lobo, Ananda Carvalho, Cláudio Bueno, Eduardo Salvino, Josy Panão, Leandro Carvalho, Lucas Bambozzi, Lyara Oliveira, Marcelo Salum, Mariana Shellard e Monique Allain. Nele, a reflexão teórica e artística estreitam suas relações.

http://artemeiostecnologicos.wordpress.com

http://dgp.cnpq.br/buscaoperacional/detalhepesq.jsp?pesq=4370603819410677

quinta-feira, 17 de março de 2011

Florestan Fernandes: interlúdio (1969-1983)

Florestan Fernandes: interlúdio (1969-1983)


Debate Cedem/Unesp


Florestan Fernandes: interlúdio (1969-1983), Editora Hucitec, São Paulo - 2010, livro de Lidiane Soares Rodrigues, será o centro do debate no próximo dia 30 de março, quarta-feira às 18h30, promovido pelo CEDEM - Centro de Documentação e Memória da UNESP.
No século XXI assistimos uma acentuada valorização das dimensões individuais da existência e da vida coletiva, paradoxalmente, nos remete à reflexão sobre o lugar e o papel do intelectual rebelde, do pensamento crítico e radical, da insubordinação e da transformação social na atualidade. O livro realiza fecundo exercício para entender querelas, ora mudas, ora estridentes, em torno da memória deste sociólogo paulista, busca compreender os sentidos dessa contenda a partir do estudo daquela conjuntura da vida e da obra e que tem heranças diversas e legitimamente reivindicadas social, intelectual e politicamente.
Na periodização deste livro - 1969 a 1983 - reside a questão central para Florestan Fernandes, comprovadamente, a da autonomia intelectual, a condição e o papel deste, a sua inserção política. Nos anos posteriores ele angariou apoio político e eleitoral para eleger-se constituinte e deputado federal pelo PT de São Paulo. Ele contagiou política e intelectualmente jovens estudantes, bancários, professores, comerciários e agrupamentos socialistas radicais. Ao acolhermos a lembrança de Florestan Fernandes admitimos e aceitamos a necessidade de conhecê-lo melhor, de saber mais sobre suas idéias, de interrogar a sua época e a sua obra, de ler seu livro, de escutar a voz de suas esperanças e frustrações. A autora nos empresta um pouco disso tudo e essas páginas são, assim, bem-vindas e nós, após percorrê-las, lhe somos inteiramente gratos (Paulo Henrique Martinez).


Expositora
Lidiane Soares Rodrigues
Graduada, mestre e doutoranda em História - USP
Foi docente da Unesp/Campus de Assis e é professora da FECAP


Debatedores
Paulo Henrique Martinez
Graduação e doutorado em História - USP
Professor livre docente - UNESP/Campus de Assis

Bernardo Ricupero
Graduação em Ciências Sociais, mestrado e doutorado em Ciência Política - USP
Pesquisador do CEDEC e Vice-chefe do departamento de Ciência Política - USP

Luiz Carlos Jackson
Graduação, mestrado e doutorado em Sociologia - USP
Pós-doutorado em Sociologia - Universidade Nacional de Quilmes/Argentina e é Professor da USP


MediadorLincoln Secco
Graduação, mestrado e doutorado em História Econômica - USP
Professor livre docente - USP



PARTICIPE E CONVIDE OS SEUS AMIGOS!

Inscrições gratuitas c/ Sandra Santos pelo e-mail: ssantos@cedem.unesp.br
Data e horário: 30 de março de 2011 (quarta-feira) às 18h30
Local: CEDEM/UNESP - Centro de Documentação e Memória
Praça da Sé, 108 - 1º andar, esquina c/ Rua Benjamin Constant (metrô Sé)
(11) 3105 - 9903 - www.cedem.unesp.br

quinta-feira, 10 de março de 2011

Concurso de vídeo Minuto Científico prorroga inscrições

Estão prorrogadas as inscrições para o Concurso Latinoamericano e Caribenho de Vídeo Minuto Científico, organizado pelo Museu Exploratório de Ciências (MC), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Com as novas datas, os interessados têm até 8 de abril para realizar o pagamento da taxa de inscrição, e até o dia 11 do mesmo mês para enviar os trabalhos. Os autores que já enviaram os links das produções têm garantido o acesso ao sistema, caso queiram realizar alterações ou mesmo enviar nova proposta.


Com o tema “Transformação”, o concurso tem como objetivo estimular, localizar e qualificar a produção espontânea, dispersa ou institucional no âmbito da divulgação e difusão científica, que pode ocorrer por iniciativas individuais ou de institucionais diversas, tais como, escolas, universidades, museus de ciência e tecnologia, sites, ONGs, centros culturais, empresas de base científica e tecnológica, entre outros.

São duas categorias de participação: Jovem, para participantes com até 18 anos de idade, e Adulta. Os vídeos com duração entre 1 e 2 minutos, deverão ser inscritos em apenas uma, das três grandes áreas do conhecimento: ciências humanas e sociais, exatas e tecnológicas e biológicas. Para cada vídeo submetido, o participante deverá encaminhar um resumo de até 250 palavras, link da produção no Youtube, declaração de posse e cessão de direitos autorais e ficha técnica da obra.

Os interessados podem inscrever quantos trabalhos desejar, sendo necessário efetuar o pagamento da taxa de inscrição, no valor de 10 dólares americanos (ou o seu correspondente em reais), para cada produção inscrita.

Ao todo, o Minuto Científico terá seis vencedores. Os trabalhos serão premiados nas duas categorias e em cada uma das áreas de conhecimento. Para cada obra vencedora, será oferecido prêmio no valor de 500 dólares. Além disso, os vídeos premiados têm garantida a sua exibição nos portais da Revista Fapesp Online, da 17ª Mostra Ver Ciências, do Museu Exploratório de Ciências, do Portal do Professor do Ministério da Educação e da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.



Saiba +

Organizado pelo Museu Exploratório de Ciências da Unicamp, associado Rede de Popularização da Ciência e Tecnologia da América Latina e do Caribe (Red-Pop), o concurso é promovido com apoio do Ministério de Ciência e Tecnologia (MC&T), o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) e da Revista Pesquisa Fapesp. A premiação acontece dia 1 de junho de 2011, durante a 12ª Reunião Bienal da Red-Pop realizada no Brasil, em Campinas, interior de São Paulo, no período de 30 de maio a 2 de junho.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Curso Introdutór​io à História da Arte a partir da Coleção do MASP

Caros leitores,


Para quem não sabe o MASP oferece uma vez por mês em seu auditorio e de forma gratuita um Curso Introdutór​io à História da Arte a partir da Coleção do MASP todo mês um quadro diferente.
Por gentileza confiram, na programação abaixo, as datas previstas sob concepção e orientação do Professor Renato Brolezzi, Assistente de Coordenação doServiço Educativo do MASP.

Curso Introdutório à História da Arte a partir da Coleção do MASP
Voltado para professores de arte e educadores, o curso pretende oferecer uma introdução à cultura figurativa ocidental a partir da análise de obras escolhidas da Coleção do MASP

Março dia 12
Retrato de Jovem Aristocrata, de CRANACH


 
Horários: Sábados das 11 às 13h Grande Auditório do MASP 1ºss recomenda-se chegar com 30’ de antecedência em inscrição prévia 450 vagas GRATUITO.
Emite certificado de participação
Avaliação da aula optativa. Acerto de 80% das cinco questões propostas garante certificado atestando aproveitamento satisfatório.


Beijos e boa visita
Profª Viviane

segunda-feira, 7 de março de 2011

8 de março: Dia Internacional da Mulher

Dia 8 de março: Dia das Mulheres


No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.
Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).
Objetivo da Data
Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Fonte:http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm acesso em 15/02

Vulcão entra em erupção no Havaí - Mundo - iG

Espetacular!!!

Vulcão entra em erupção no Havaí - Mundo - iG

BIG BROTHER BRASIL

Caros leitores,

Recebi esse email  do cordelista Antonio Barreto, natural de Santa Bárbara-BA.
Boa leitura e boa reflexão

Profª Viviane



Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.
Em frente à televisão

Lá está toda a família
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.

Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.
Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição

Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.
Respeite, Pedro Bienal
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
dar muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.

Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social
Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério – não banal.

Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.
Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança

Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.
É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.

E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados
Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.

A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.

Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?

Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal…
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, animal…

A minha escola preferida no Rio de Janeiro: Unidos da Tijuca

A minha torcida vai para eles.
Esquadrão F.O.R.D.: INDIANA JONES NO CARNAVAL2011 DO RIO DE JANEIRO: "A Escola de Samba Unidos da Tijuca apresentou na noite de hoje um carnaval ligado a temática cinema e não faltou Star Wars e Indiana Jones ..."

CQC - Vamos ter mais consciência ao votar nesse povo?

Caros leitores,

Não me lembro dessa reportagem ter ido ao ar. Mas por que o espanto né? A imprensa brasileira só divulga o que lhe interessa. Por isso tome cuidado sempre veja os dois lados da moeda.
Assistam o video :

TV iG | A página de vídeos da internet | Cyndi Lauper ao vivo no aeroporto

O voo da cantora Cindy Lauper atrasa e ela decide cantar um de seus maiores hits...
Só ela mesmo.
Vejam o video:


TV iG A página de vídeos da internet Cyndi Lauper ao vivo no aeroporto

domingo, 6 de março de 2011

Tremor de terra atinge 3,2 graus em Montes Claros-MG

Tremor de terra atinge 3,2 graus em Montes Claros-MG


Moradores ficaram assustados. Região está sujeita a abalos sísmicos

AE
06/03/2011 12:41


Um tremor de terra, de magnitude de 3,2 graus na escala Richter, assustou os moradores de Montes Claros, em Minas Gerais, na noite do último sábado.
Segundo o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), o epicentro do abalo, considerado fraco, aconteceu na cidade localizada ao norte do Estado, por volta das 20h30.
De acordo com o Professor George Sand França, do Obsis, a região tem histórico de atividades sismológicas, devido às falhas geológicas na região, e, por isso, são comuns pequenos tremores.
Na manhã de sábado, a cidade de Estrela do Norte, em Goiás, também sofreu com três tremores, de magnitude que variaram de 3,7 a 2,8 na escala Richter, no período de aproximadamente cinco minutos.

Fonte: ig

São Luiz do Paraitinga (SP) faz Carnaval da reconstrução

05/03/2011 - 22h02


São Luiz do Paraitinga (SP) faz Carnaval da reconstrução


DA AGÊNCIA BRASIL



Um dos Carnavais mais tradicionais do Estado de São Paulo está de volta. A festa de rua no município de São Luiz do Paraitinga (171 km de São Paulo), parcialmente destruído por uma enchente no início do ano passado, voltou a atrair milhares de foliões paulistas.
Depois de ter sido cancelado em 2010 por causa dos estragos da cheia do rio Paraitinga, que corta a cidade, o carnaval luizense foi retomado. A 30ª edição da festa mais famosa do município batizada pela prefeitura de Carnaval da reconstrução.
A ideia é chamar a atenção dos turistas, das empresas e do poder público para a necessidade de investimentos para recuperação dos prédios históricos da cidade, considerados patrimônio cultural brasileiro. Passados quase 15 meses da enchente, boa parte dos casarões de madeira localizados perto da praça principal da cidade permanece no chão e sem projetos de restauração.
"Três casarões, um ao lado do outro, e as fachadas de casas de todo um lado da praça continuam sem recursos para ser reconstruídos", disse neste sábado a assessora de Planejamento de São Luiz do Paraitinga, Cristiane Bittencourt, uma das responsáveis pelo revitalização da cidade.
Segundo ela, isso deve-se ao fato de que os casarões são propriedades privadas. A lei não permite que o governo invista na reconstrução deles. Prédio públicos, como igrejas, não entram nesta regra e por isso já estão sendo restaurados com recursos públicos.
Para Cristiane, a proibição não faz sentido, já que prejudica toda a população, que não pode ver e visitar um conjunto arquitetônico de mais de 200 anos. "O que é patrimônio em São Luiz é o conjunto de prédios. É a vista do todo, que não estará completa até que pelo menos as fachadas de todos os casarões estejam refeitas."
O carnaval de São Luiz do Paraitinga começou na sexta-feira (4) e vai até terça-feira (8). Mesmo debaixo das chuvas intermitentes desde o início da semana, mais de 30 blocos desfilam na folia do município, embalada principalmente por marchinhas.
Para os foliões, a volta do carnaval é mais um passo para a retomada da vida normal na cidade. Eles também apoiam a iniciativa da prefeitura de buscar ajuda para a reconstrução dos prédios destruídos. "Voltamos a ter um carnaval animado", disse o dentista e folião Paulo Briet. "É isso que as pessoas e a cidade precisam. Precisamos voltar a ser o que éramos."
O advogado Lindsei Frank passa o carnaval em São Luiz do Paraitinga há anos e também está feliz com a retomada da festa. "Depois da enchente, o carnaval está menor, mas melhor."

PRESERVAÇÃO
Um dos mais conhecidos do Estado de São Paulo, o Carnaval de São Luiz do Paraitinga passou por modificações neste ano para se tornar mais sustentável. A festa mudou de local e foi redimensionada para que não ameaçasse os prédios do centro histórico parcialmente destruídos por uma enchente no ano passado.
Neste ano, o carnaval foi levado para uma praça ao lado da rodoviária, onde foram montados o palco e quiosques e instalados dezenas de banheiros químicos.
O público da festa também foi reduzido para facilitar a segurança das pessoas e do patrimônio arquitetônico da cidade. Tradicionalmente, cerca de 50 mil turistas participavam dos quatro dias de folia. Isso é quase cinco vezes o número de habitantes do município. Já neste ano, são esperados na cidade 10 mil foliões.
Nesta semana, o nível do rio Paraitinga subiu novamente, encobriu ruas e acabou assustando alguns turistas que planejavam passar o Carnaval em São Luiz.
No entanto, nem a chuva nem as mudanças diminuíram a animação dos foliões. Hoje, no segundo dia da festa, milhares de pessoas lotaram à avenida em frente à rodoviária, que faz parte do novo percurso dos blocos da cidade.
A prefeita de São Luiz do Paraitinga, Ana Lúcia Bilard (PSDB), disse hoje que espera que no ano que vem, após as obras de revitalização dos prédios da cidade, o carnaval volte ao centro histórico. O projeto dela, porém, é manter a festa com menos pessoas para garantir a preservação do município
 
Fonte: Folha de São Paulo

A professora recomenda: Escola no Cinema - Clube do Professor .:

Caros colegas,

Uma ótima dica para os docentes que gostam de cinema e fazem questão de usá-los em sala de aula.
Acessem o site :
:. Escola no Cinema - Clube do Professor .:

Bom divertimento,

Viviane

Reavaliados, professores obesos são liberados em concurso

Caros leitores,


Esse é um exemplo a ser seguido, se você acha que está sendo prejudicado corra atrás de seus direitos, mesmo que leve tempo e não seja simples. Nós não devemos ficar calados frente a injustiça.
Boa leitura,

Profª Viviane


Fonte: Folha de São Paulo
********************

06/03/2011 - 10h45

Reavaliados, professores obesos são liberados em concurso
O governo paulista reavaliou a situação de 304 professores aprovados em concurso público, mas que foram considerados inaptos pela perícia médica do Estado. Destes, 223 agora estão aptos a entrar na rede estadual.

Conforme a Folha informou mês passado, docentes afirmaram terem sido barrados na avaliação do Departamento de Perícias Médicas paulista por serem obesos.
Os casos suscitaram debate se o governo poderia vetar os docentes por esse motivo.
A Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo entendeu que houve discriminação. Houve reclamação semelhante de aprovados com histórico de depressão.
À época, a Secretaria de Gestão Pública do governo Alckmin (PSDB) disse que o estatuto dos funcionários públicos determina que um dos requisitos para o ingresso no serviço público é que o candidato goze de boa saúde.
Dos reprovados pela segunda vez na perícia, 17% foram por obesidade, 18% por problemas psiquiátricos, 30% por doenças relacionadas à garganta, e o restante, por problemas diversos.
A reavaliação foi feita com ajuda de especialistas do Hospital das Clínicas.
O secretário de Gestão Pública, Julio Semeghini, afirmou que solicitou ajuda do Hospital das Clínicas em especialidades nas quais não havia peritos suficientes no departamento estadual.
Sobre o grande número de reconsiderações, ele nega que tenha havido erro na primeira avaliação. "O que os especialistas na área dizem é que é um processo normal, principalmente porque estávamos contratando dez mil professores ao mesmo tempo", afirmou o secretário.
No primeiro processo, disse Semeghini, os casos foram avaliados por comissões com dois ou três peritos. Na reavaliação, foram ao menos três. Mesmo os novamente considerados não aptos ainda podem recorrer mais uma vez a fim de garantir uma vaga.

PROTEÇÃO AO DOCENTE
Segundo os dados da secretaria, 73% dos professores barrados por obesidade que pediram reavaliação foram considerados agora aptos.
Foi o caso da professora de matemática Lídia de Souza, 30, considerada inapta na perícia anterior, apesar de atuar na rede há três anos. "Não tenho palavras para descrever como isso foi bom", diz sobre a decisão.
Entre os casos de depressão, o percentual foi de 66%.

sábado, 5 de março de 2011

Seminário - A Gestão da Amazônia

Segue convite para os seminários A Gestão da Amazônia - Ações Empresariais, Políticas Públicas, Estudos e Propostas. Os Eventos foram organizados em parceria pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Instituto de Estudos Avançados da USP, Edusp, FEAUSP e Fundação Bunge.


O Seminário marca o lançamento do livro, de mesmo nome, do Professor Jacques Marcovitch

sexta-feira, 4 de março de 2011

A Historia do Carnaval no Brasil


História do Carnaval no Brasil
O carnaval chegou ao Brasil em meados do século XVII, influenciado pelas festas carnavalescas que aconteciam na Europa. Em países como a França, o carnaval acontecia em forma de desfiles urbanos, ou seja, os carnavalescos usavam máscaras e fantasias.
Embora de origem europeia, muitos personagens foram incorporados ao carnaval brasileiro, como, por exemplo, Rei momo, pierrô, colombina, etc.
Os primeiros blocos carnavalescos, cordões e os famosos cortejos de automóveis (corsos) surgiram. Mas tornaram-se mais populares no começo do século XX. As pessoas decoravam seus carros, fantasiavam-se e, em grupos, desfilavam pelas ruas das cidades, dando origem aos carros alegóricos.
O carnaval tornou-se cada vez mais popular no século XX, e teve um crescimento considerável neste período, que ocorreu em virtude das marchinhas carnavalescas (músicas que faziam o carnaval mais animado).
A primeira escola de samba foi criada no dia 12 de agosto de 1928, no Rio de Janeiro, e chamava-se “Deixa Falar”.
Anos depois, a escola mudou seu nome para Estácio de Sá. A partir deste momento o carnaval de rua começou a ganhar um novo formato. Com isso, no Rio de Janeiro e São Paulo, começaram a surgir novas escolas de samba. Organizadas em Ligas de Escolas de Samba, iniciaram os primeiros campeonatos para constatar qual escola de samba era a mais bela e animada.
A região nordeste permaneceu com as tradições originais do carnaval de rua como, por exemplo, Recife. Já na Bahia, o carnaval de rua conta com a participação dos trios elétricos, embalados por músicas dançantes, em especial pelo axé.
Fonte: Carnaval - Brasil Escola