quinta-feira, 11 de março de 2010

INTRODUÇÃO À QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

Dias 22.03 a 17.05.2010
29.03

2ªs feiras
19h30 às 22h30

PÚBLICO-ALVO: Professores (universitários e do ensino médio),
estudantes universitários, jornalistas, advogados, pesquisadores e
público em geral, interessados no debate sobre as questões indígenas.

VAGAS: 60 (mínimo 10 pagantes).

SORTEIO DE BOLSAS
INSCRIÇÃO: 12.03 a 15.03.2010 , pela internet.

RESULTADO: 16.03.2010

PÚBLICO-ALVO PARA O SORTEIO: Comunidade USP e 3ª idade. Sendo: 1
docente, 2 discentes, 1 funcionários e 3 para 3ª idade.

OBSERVAÇÃO:
1. A Inscrição será apenas pela Internet;
2. O sorteio não garante a vaga, devendo a pessoa contemplada (ou seu
representante) comparecer no dia de matrícula.

VALOR

À VISTA

CATEGORIA
50,00 Interessados em geral.
45,00 Graduandos e pós-graduandos da FFLCH.
25,00 Professores Ativos da Rede Pública, maiores de 60 anos, monitores
bolsistas e estagiários da FFLCH.
Gratuito Docentes e Funcionários da FFLCH.

MATERIAL DIDÁTICO (não incluso): Será informado pelo professor no 1º
dia de aula.

OBSERVAÇÃO:
1. O pagamento será mediante boleto bancário impresso no ato da matrícula;
2. Não haverá devolução da taxa após o início do curso.

MATRÍCULA
DATA: 16 a 18.03.2010, enquanto houver vaga.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA MATRÍCULA:
- RG (data de expedição) e CPF;
- endereço e telefone.

LOCAL:

OBSERVAÇÕES:
1. Não efetuaremos matrículas fora do prazo estipulado;
2. Não efetuaremos matrícula por telefone e e-mail;
3. As matrículas serão feitas por ordem de chegada.

PROGRAMA E OBJETIVO

PROGRAMA:

BLOCO A – Desafios Conceituais para a Compreensão da Questão Indígena
1 - Evolucionismo: casos recentes no debate público nacional, a partir
da imprensa, que expressam a permanência no senso comum de
pressupostos evolucionistas. Em debate, expressões como “culturas
atrasadas” ou “avançadas”, "sociedades simples", "naturais" etc.

2 - Funcionalismo: casos recentes expostos na imprensa que demonstram
como persistem no senso comum imagens que caracterizam as abordagens
funcionalistas. Em debate, os conceitos de sociedade, comunidade e
cultura, “aculturação” e “assimilação”, entre outros.

BLOCO B - Desafios no Campo Jurídico
3 - A legislação indigenista brasileira: pressupostos conceituais,
percurso histórico do tratamento dado ao indígena. Persistências de
paradigmas ultrapassados impressos na legislação. O antigo Estatuto do
Índio e o projeto do novo Estatuto dos Povos Indígenas.
4 – A nova legislação indigenista no país e no mundo: Constituição de
1988, Convenção 169, Declaração da ONU sobre Povos Indígenas
(pressupostos conceituais, novos paradigmas). Outros casos na América
Latina: formas diversas de tratar a diversidade.

BLOCO C – Panorama da Cidadania Indígena no Brasil
5 – A questão da terra para as comunidades indígenas no Brasil.
Desafios nas demarcações de territórios tradicionais: os casos de
Raposa Serra do Sol (RR) e dos Guarani-Kaiowa (MS). Apropriação dos
instrumentos político-jurídicos pelos grupos organizados;
judicialização da questão indígena.
6 – Políticas públicas para comunidades indígenas: novas propostas em
saúde e educação. A busca por regular os direitos sobre conhecimentos
tradicionais. Conflitos com a legislação ambientalista.

BLOCO D – Novos horizontes conceituais na Compreensão dos Povos Ameríndios
7 – Novos olhares sobre a história dos ameríndios: como as pesquisas
sobre o passado podem mudar nosso olhar sobre o futuro dos indígenas
no Brasil e na América Latina.
8 - Novas abordagens sobre a socialidade ameríndia: breve apresentação
de algumas das mais recentes propostas teóricas na etnologia indígena.
Como elas podem reorientar o olhar lançado sobre os grupos indígenas.
Perspectivismo, multinaturalismo, redes.

OBJETIVO: Num percurso multidisciplinar, entre a Antropologia, a
Etnologia Ameríndia, o Jornalismo, a História e o Direito, o roteiro
de aulas procurará traçar um quadro dos principais debates, fatos,
atores e referências teóricas e históricas fundamentais para a
compreensão do quadro da chamada questão indígena no Brasil. As
discussões partirão de casos de recente destaque na imprensa e no
mundo jurídico, com o objetivo de cotejar a visão comum sobre as
questões que envolvem as populações indígenas com diversos conceitos e
matrizes de pensamento e com as descrições e análises desenvolvidas
mais recentemente no campo da etnologia ameríndia. Em paralelo, o
curso apresentará ao longo das aulas um panorama da diversidade dos
povos indígenas brasileiros, contando com a colaboração de
pesquisadores do NHII (Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da
USP).

OUTRAS INFORMAÇÕES

COORDENAÇÃO: Profa. Dra. Beatriz Perrone Moises, da FFLCH/USP.

MINISTRANTES: Adriana Queiroz Testa, André Drago Ferreira Andrade,
Fabio de Oliveira Nogueira da Silva, Gabriel Coutinho Barbosa, Joana
Cabral de Oliveira, Marcele Garcia Guerra, Maria Denise Fajardo
Grupioni, Pedro Augusto Lolli, Spensy Kmitta Pimentel.

PROMOÇÃO: Departamento de Antropologia, da FFLCH/USP.

CERTIFICADO: Para fazer jus ao certificado de extensão o aluno precisa
ter o mínimo de 85% e nota mínima 5,0 (cinco).

LOCAL DO CURSO: Prédio de Letras, Av. Prof. Luciano Gualberto, 403 - sala 160.
http://www.fflch.usp.br/sce/2010/cursos/2_questao_indigena.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não será permitido comentários ofensivos.