sábado, 16 de janeiro de 2010

A forte chuva em Angra dos Reis

SÃO PAULO (Folhapress) - A Prefeitura de Angra dos Reis divulgou ontem o conteúdo do Formulário de Avaliação de Danos sobre os deslizamentos provocados pelas chuvas nos primeiros dias do ano. O documento conclui que o desastre foi de nível 4, a maior intensidade no índice de avaliação da Codificação de Desastres, Ameaças e Riscos do Conselho Nacional de Defesa Civil.

Clique para ampliar: Ilha Grande

A avaliação, finalizada na última terça-feira, foi encaminhada ao Sistema Nacional de Defesa Civil e validará a situação de calamidade pública decretada pela prefeitura. A medida é necessária para o recebimento dos recursos destinados ao município.
O formulário aponta que 2.284 desalojados foram hospedados em casas de familiares e parentes. Outros 652 desabrigados ficaram em abrigos públicos e 80 deslocados deixaram a cidade após as chuvas. Além das mortes, foram registradas 31 pessoas com ferimentos leves e nove em situação grave. Das 15h do dia 30 de dezembro e 3h30 do dia 1º de janeiro, foram registrados 417 mm de chuva - a média do mês de dezembro era de 225,3 mm.

clique para ampliar: Pousada Sankay


Mesmo que a chuva seja a grande responsável pelo desastre que se abateu tanto na parte continental - cidade - de Angra dos Reis quanto na Ilha Grande, isso poderia ser evitado. De acordo com vários especialistas as construções nessas encostas são irregulares, - mesmo a contrução da Pousada Sankay- para se urbanizar essas regiões se faz necessário um estudo do solo atestando se aquele terreno é ou não seguro para construções. Com toda a tecnologia que temos hoje esse estudo é rápido. Porém nenhuma das construções em Angra dos Reis tem esse laudo. O que fez com que o governo embargasse várias obras por lá afim de investigar se será seguro a sua contrução.


Abaixo fotos da Pousada Sankay antes do deslizamento:





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não será permitido comentários ofensivos.