sexta-feira, 31 de julho de 2009

Milho transgênico está fora de controle. E nós cansamos de avisar...

São Paulo (SP), Brasil — Carta aberta assinada por 86 entidades da sociedade civil é enviada à Casa Civil pedindo a suspensão do plantio em todo o país.
O governo brasileiro não tem cumprido a promessa de controlar os transgênicos no Brasil, principalmente o milho, e por isso o seu plantio deve ser suspenso. Esse é o teor da carta aberta assinada por 86 organizações civis de todo o país, entre elas o Greenpeace, e enviada ao Ministério da Casa Civil. As entidades querem ainda a paralisação de todos os processos de licenciamento de variedades de milho transgênico em andamento na Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio).
A titular da Casa Civil, Dilma Roussef, é presidente do Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS) que reúne 11 ministros e é a instância máxima do setor no Brasil, com poderes para revogar decisões da CTNBio.As organizações sociais, ambientais, de pequenos produtores e de consumidores que assinam a carta aberta afirmam que todas as suspeitas de que o milho convencional seria contaminado pelas variedades transgênicas estão se confirmando nesta primeira safra de milho geneticamente modificado.Entre as promessas do governo brasileiro que os representantes da sociedade civil querem ver cumpridas estão a promessa convivência entre os cultivos convencional, orgânico, agroecológico e transgênico. Elas foram feitas pelo presidente Lula na abertura da reunião COP 8, da ONU, em Curitiba (PR).
O bom e o malNa última quarta-feira (17/6), foi aprovado na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados o pedido de audiência pública para discutir monitoramento e contaminação de transgênicos. O requerimento para a audiência foi assinado pelos deputados Paulo Teixeira, Leonardo Monteiro, Dr. Rosinha, e Fernando Marroni. Foram convidados para o debate membros da CTNBio e do Ministério da Agricultura, para falar sobre liberação, fiscalização e contaminação do campo por cultivos transgênicos.Essa foi a boa notícia. A má é que a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da mesma Câmara aprovou também na quarta-feira a proposta que libera o plantio de comercialização e a pesquisa de sementes geneticamente modificadas para serem estéreis - conhecidas como 'terminators'. A medida está no substitutivo ao Projeto de Lei 268/07, do deputado Eduardo Sciarra (DEM/PR).Essas sementes 'terminators' são proibidas pela Lei de Biossegurança devido à falta de estudos sobre a segurança de seu uso no meio ambiente. Mas para o deputado Duarte Nogueira (PSDB/SP), relator da matéria, a proibição aos 'terminators' impede a identificação do "bem ou o mal que novas experiências propõem".O texto aprovado afirma que a tecnologia não poderá ser usada para a alimentação humana e animal, só para a produção de substâncias de uso terapêutica ou industrial.O projeto foi rejeitado em 2007 na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e agora vai para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Caso seja aprovado, terá que ser discutido e votado nos plenários da Câmara e Senado.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

III Seminário Internacional Margem Esquerda

A Boitempo Editorial (www.boitempotempo.com ) tem o prazer de convidar a todos para o III Seminário Internacional Margem Esquerda, que acontecerá de 18 a 28 de agosto. Confira a programação completa.
Local: USP
DIA 18,
14h - O poder da ideologia: Miguel Vedda, Virginia Fontes, Osvaldo Coggiola e Wolfgang Leo Maar;
19h - Trabalho e alienação: Ricardo Antunes, Ruy Braga, Jesus Ranieri e Giovanni Alves;
DIA 19
14h - Marx, Lukács e os intelectuais revolucionários: Emir Sader, Antonino Infranca, Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto;
19h - Para além do capital -a crise estrutural do capital: François Chesnais, Jorge Beinstein, Leda Paulani e Edmilson Costa;
DIA 20
14h - Para além do capital - lógica destrutiva e questão ambiental: Brett Clark, Carlos Walter Porto-Gonçalves, Mohamed Habbib e Plínio de Arruda Sampaio;
19h - Educação e socialismo: Roberto Leher, Afranio Mendes Catani e Isabel Rauber
DIA 21
14h - Marxismo, lutas sociais e revolução na América Latina: Francisco de Oliveira, Maria Orlanda Pinassi, Gilmar Mauro e Lucio Flávio de Almeida;
19h - A necessária reconstituição da dialética histórica: István Mészáros;
Encerramento: solo de Bach em viola por Susie Mészáros
Local: UNESP-Araraquara
DIA 24
14h - A crise estrutural do capital: Gilmar Mauro, Maria Orlanda Pinassi e Aldo Casas;
Local: UNICAMP
DIA 25
- A crise estrutural do capital: Ricardo Antunes, Álvaro Bianchi, Aldo Casas, Caio Toledo e Plínio de Arruda Sampaio Jr.;
Local: UERJ
DIA 25
- A necessária reconstituição dadialética histórica: István Mészáros; comentários de Emir Sader e Gaudêncio Frigotto;
Local: CUFSA - Fundação Santo André
DIA 26
19h30 - Crise do capital e perspectivas do trabalho: Antonio Rago Filho, Livia Cotrim, Miguel Vedda e Everaldo de Oliveira Andrade;
Local: UFRJ
DIA 261
17h30 - Perspectiva do socialismo hoje: José Paulo Netto, Carlos Nelson Coutinho e Jorge Giordani;
19h40 - Música: solo de Bach em viola por Susie Mészáros;
20h - A necessária reconstituição da dialética histórica: István Mészáros;
Local: UFRGS
DIA 27
19h - A necessária reconstituição da dialética histórica: István Mészáros; comentários de Jorge Giordani e Paulo Vizentini;
DIA 28
15h - Para além do capital e a crise mundial: Jorge Giordani, Carla Ferreira e André Cunha;
19h - Para além do capital, imperialsmo e Estados periféricos: Luiz Dario Ribeiro, Mathias Luce e Cesar Augusto Barcellos;
Local: CEFET-BH
DIA 27
19h - Para além do capital: crise do capital e perspectivas do trabalho: Nicolas Tertulian, Ester Vaissman, Ana Lucia Barbosa Faria e Rodrigo Dantas;
Para maiores informações pelo email seminariomeszaros@boitempoeditorial.com.br

Exposição Museu Afro


Palestra : racismo e democracia


Gripe N1H1: A gripe suína

Com a proximidade da volta as aulas na rede particular de ensino é importante que pais e filhos saibam diferenciar os sintomas da Gripe Influenza e os sintomas da Gripe A.
Importante:
- se estiver gripado não volte as aulas com certeza você vai contaminar os seus colegas, lembrando que o periodo de incubação é de 5 a 10 dias;
- lembre-se de lavar bem as mãos se possivel higienize com alcool em gel;
- se você viajou para alguma das áreas afetadas use máscaras cirúrgicas descartáveis;
- ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente descartável;
- evitar locais com aglomeração de pessoas;
- evitar o contato direto com pessoas doentes;
- não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal;
- evitar tocar olhos, nariz ou boca;
- viajantes procedentes, nos últimos 10 dias, de áreas com casos confirmados de influenza A (H1N1)em humanos e que apresentem febre alta repentina, superior a 38ºC, acompanhada de tosse/ou dores de cabeça, musculares e nas articulações, devem:
• Procurar assistência médica na unidade de saúde mais próxima.
• Informar ao profissional de saúde o seu roteiro de viagem.

Para informações adicionais sobre medidas preventivas estabelecidas pelas autoridades de saúde das áreas afetadas, acesse:
INFLUENZA A (H1N1)
Outras informações:Organização Pan-americana de Saúde (em espanhol)http://new.paho.org/hq/index.php?lang=es
Organização Mundial da Saúde (em inglês)http://www.who.int/csr/disease/swineflu/en/index.html

Campanha Não a Homofobia

Para conscientizar a população sobre a homossexualidade, a campanha “Não homofobia”, iniciativa do Grupo Arco-Íris de Conscientização LGBT, veiculará em algumas emissoras um filme publicitário no qual será mostrado a igualdade entre as pessoas independentemente da orientação sexual.
Produzido pela agência de propaganda Giacometti, o infomercial com duração de 30 segundos será transmitido pelas emissoras AXN, Animax, MTV, TV Cultura e Sony.
O intuito é que a propaganda na televisão ajude a campanha “Não homofobia” a acolher mais assinaturas virtuais para que auxilie na aprovação do PLC 122/06, o qual criminalizará a homofobia no Brasil.
Mas o que é a homofobia?
Homofobia caracteriza o medo e o resultante desprezo pelos homossexuais que alguns indivíduos sentem. Para muitas pessoas é fruto do medo de elas próprias serem homossexuais ou de que os outros pensem que o são. O termo é usado para descrever uma repulsa face às relações afectivas e sexuais entre pessoas do mesmo sexo, um ódio generalizado aos homossexuais e todos os aspectos do preconceito heterossexista e da discriminação anti-homossexual.
O que é o heterossexismo?
O termo "heterossexismo" não é familiar para muitos porque é relativamente recente. Só há relativamente pouco tempo é que tem sido utilizado, juntamente com "sexismo" e "racismo", para nomear uma opressão paralela, que suprime os direitos das lésbicas, gays e bissexuais. Heterossexismo descreve uma atitude mental que primeiro categoriza para depois injustamente etiquetar como inferior todo um conjunto de cidadãos. Numa sociedade heterossexista, a heterossexualidade é tida como normal e todas as pessoas são consideradas heterossexuais, salvo prova em contrário. A heterossexualidade é tida como "natural", quer em termos de estar próxima do comportamento animal, quer em termos de ser algo inato, instintivo e que não necessita de ser ensinado ou aprendido.
Quando seres humanos dizem que algo é "natural", em oposição a um comportamento "adquirido" através de um processo de aprendizagem, geralmente querem dizer que não é possível desafiá-lo nem mudá-lo e que seria até mesmo perigoso tentar fazê-lo. No passado, dominava a ideia de que os homens eram "naturalmente" melhores nas ciências e no desporto e líderes natos, mas as mulheres tiveram a oportunidade de desafiar estas ideias e de mostrar o homem e a mulher numa perspectiva completamente diferente. Este desafio foi facilmente perpetuado assim que se começou a evidenciar que os homens são empurrados para posições de vantagem por uma sociedade que está estruturada para os beneficiar, um processo (a opressão das mulheres) mais tarde denominado de sexismo. Do mesmo modo, tem-se tornado evidente que a heterossexualidade, tal como a dita superioridade masculina, é tão natural, como adquirida. O facto de a maioria dos homens e mulheres a escolherem como a sua forma preferida de sexualidade tem por vezes mais a ver com persuasão, coerção e a ameaça de ostracização do que com a sua superioridade como forma de sexualidade.
O heterossexismo está institucionalizado nas nossas leis, orgãos de comunicação social, religiões e línguas. Tentativas de impôr a heterossexualidade como superior ou como única forma de sexualidade são uma violação dos direitos humanos, tal como o racismo e o sexismo, e devem ser desafiadas com igual determinação.
Mais informações:
Crime contra o bailarino Igor Xavier
Sexualidade humana
Reportagem sobre o lançamento da campanha TV Fama:

Campanha publicitária:

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Dica de Livro: Flor do Deserto



Recebi um email maravilhoso da minha amiga Magda que após ler este livro decidiu fazer algo em pró da mudança no mundo em que vivemos. Esse livro mexeu em cheio com o seu brio de ser humano: o que podemos fazer para mudar esse mundo cão em que vivemos?
O livro é um emocionante relato de Waris Dirie, modelo de projeção internacional e atualmente embaixadora especial da ONU na luta pela erradicação da mutilação genital feminina. Nascida numa família nômade no deserto da Somália, foi mutilada como muitas outras de sua tribo. Fugindo de um casamento não-desejado, atravessa a pé o deserto africano até chegar à capital, Mogadíscio, e daí para Londres. De empregada doméstica ao mundo das passarelas, a trajetória de Waris poderia ser a mesma de tantas outras modelos, não fosse a causa que passou a representar.
Editora: Hedra
Autor: WARIS DIRIE & CATHLEEN MILLER
Este é o email que a Magda escreveu (Obrigada por compartilhar comigo esse momento)
Amigos, parentes, colegas, conhecidos e queridos em geral...
gostaria de passar adiante algo que tomei consciência neste final de semana. Peço que se esforcem para ler até o final, senão terá sido em vão esse e-mail. Acabei de ler o livro "Flor do Deserto" que conta a história da Waris Dirie, uma ex modelo que nasceu na Somália e, como a maioria das mulheres de lá, teve sua vagina mutilada na infância. Ela fugiu na adolescência e hoje faz campanha pela erradicação dessa prática.
Bom, muitos de vocês já devem ter ouvido falar dela... mas talvez não conheçam a história a fundo. Eu tinha ouvido falar mas achava que fosse algo restrito a algumas tribos e não tinha noção de quão absurdo é o processo. Simplesmente, a sangue frio, sem condições de higiene e anestesia, pegam um obejeto cortante qualquer (lâminas velhas, pedaço de vidro) e cortam a vagina da garota (geralmente entre 5 e 10 anos de idade). Tiram o clítoris, os pequenos lábios e parte dos grandes lábios. Ou seja, "decepam" a vagina da menina. Em seguida, fazem furos (com espinhos ou o que tiverem de perfurante à mão) e costuram a vagina. Deixam um buraco do tamanho de um palito para que a urina e o resíduo menstrual possam, literalmente, pingar.A recuperação, obviamente, é tão brutal quanto a "operação" em si. Amarram as pernas da garota e a deixam se recuperar naturalmente. Afinal, em países como Somália e Etiópia onde se toma água à cada dois dias, remédios são um luxo que a maioria morre sem saber que existe.É claro que muitas dessas garotas morrem com gangrena, infecções e hemorragias. As que sobrevivem sofrem sérias conseqüências. Suas cólicas menstruais são mais fortes, muitas desenvolvem tumores porque o resíduo menstrual acaba se acumulando dentro delas e isso, sem falar que nunca sentirão prazeres sexuais.
Não se sabe bem a origem desse costume, mas sabe-se que muitos acreditam que somente assim manterão a castidade de suas filhas e a fidelidade de suas esposas. Como as mães passam por isso e os pais foram educados assim, acabam passando adiante a prática em suas filhas. Segundo a ONU, cerca de 2 milhões de meninas por ano passam por isso.
Quando elas se casam, o marido arrebenta a vagina da coitada no ato sexual ou, para facilitar, abre com uma faca. Depois que elas tem um filho, são costuradas novamente para que o marido possa receber sua mulher "fechadinha" de novo. E elas nem imaginam que isso não ocorre com o resto das mulheres no mundo. Para elas é normal. E, as que não são mutiladas, são consideradas sujas pelos outros homens e sem valor.
Como mulher, e ser humano, fiquei tocada ao ler isso. Ganhei o livro na sexta à noite de uma amiga e sábado à noite já havia terminado. Sei que existem muitas injustiças no mundo e tudo o mais. Mas, muitas delas estão enraizadas em problemas muuuito mais complexos. Não há o que eu possa fazer, por exemplo, para acabar com a fome. Não tenho como mudar o sistema.Porém, há algo que eu e todos vocês podemos fazer para ajudar com esse problema da mutilação feminina.
Em muitos países essa prática foi praticamente extinta com a atitude mais óbvia de todas: consicentização. Com o apoio do governo e Ongs, educaram e conscientizaram as pessoas do porque não se fazer isso e que não há valor cultural no mundo que justifique isso.
No final do livro há uma mensagem pedindo ao leitor que envie uma carta para os governos dos principais países onde esta prática ocorre. Já colocaram a carta em inglês e deram os endereços dos governos. Então, além de recomendar o livro a vocês, gostaria de pedir que imprimissem a carta que estou enviando anexada a este e-mail e enviassem para os endereços que colocarei logo mais abaixo.O que eles mais esperam do ocidente é que façamos pressão para que os governos deles promovam e mantenham campanhas educativas para acabar com a mutilação feminina. Pois, por incrível que pareça, ao invés de diminuir, a quantidade de garotas mutiladas tem aumentado. Pois os africanos que migram para a Europa e América, levam essa prática com eles. Chegam a juntar dinheiro em comunidades de imigrantes para pagar as passagens das "ciganas" que fazem o procedimento.
Engraçado que na sexta, quando ia ao encontro dessa amiga que me presenteou com o livro, vi dois garotinhos no metrô pedindo esmola. Os dois estavam até que bem vestidos. Eram dois irmãos aparentemente, um de uns 4 anos e o outro de uns 6 ou 7. O menorzinho andava choramingando e o mais velho tinha um olhar muito triste que não saiu da minha cabeça o fds inteiro. Então o mais velho parou do lado do mais novo e botou a mão no ombro dele e ele "quero ir pra casa". Aí o mais velho pegou na mão do mais novo, disse alguma coisa e desceram... Me cortou o coração, mas eu pensei "Meu Deus! O que eu poderia fazer por eles? Dar r$1,00? Levar pra minha casa? É tão complexo...." Aí li o livro e vi que pelo menos essa atrocidade, a da mutilação, era passível de erradicação apenas com a colaboração de cada um. Não precisa dar dinheiro, mudar sistemas políticos nem sair de casa sem ser para ir ao correio.
Espero que vocês possam enviar as cartas e também passar a mensagem adiante! Acredito que, assim como "de zoeira" um por um votou no Clodovil e no Enéias e eles foram eleitos, um por um pode mandar uma carta e fazer a diferença.
Seguem os endereços baixo e a carta anexada com a mensagem. Se souberem de mais endereços para enviar, fiquem a vontade!
Beijos e obrigada!
Etiópia
His Excellency, Prime Minister
Office of the Prime Minister
PO Box 1031 Addis Abeba Etiópia

Egito
His Excellency,President of the Arab Republic of Egypt
Abedine Palace, Cairo Egypt
Sudão
His Excellency,President of the Arab Republic of SudanPeople's Palace
PO Box 281 Khantorum Sudan
Quênia
President Of KenyaHarambee House Harambee Avenue
PO Box 30510
Nairobi Kenya
Somália
His Excellency, the Prime Minister
Office of the Prime Minister The Presidency
Mogadishu Somalia
Para enviar a carta ela deve estar em inglês, para quem tem dificuldades segue o modelo:

Dear Sir,
I am writing you about a serious violation of human rights and physical integrity, that of female circumcision, an act which consists of the forced mutilation of the female genitals. In addition to the searing pain of mutilation and desfigurement, women who have undergone mutilation carry within them various other physical and psychological health problems.
I therefore ask for your cooperation in the eradication of female genital mutilation. I hope your government will collaborate to this end through political and education efforts. I know we can count on you to meet your obligations on basic questions of human well being.
Sincerely,

terça-feira, 21 de julho de 2009

Brasil se prepara para devolver lixo inglês e multa empresas

21/07/2009 - 12h11
da Reuters, em São Paulo

O Brasil vai enviar de volta à Inglaterra 89 contêineres de navio repletos de lixo, putrefato e infestado por larvas, e aplicou multas no valor de cerca de R$ 800 mil a três empresas brasileiras que o importaram, anunciou o governo na segunda-feira (20).
Cerca de 1.600 toneladas de dejetos, incluindo banheiros químicos, fraldas sujas, seringas, camisinhas e TVs e computadores velhos, estão em contêineres nos portos de Rio Grande (RS) e Santos (SP), depois de serem enviados desde a Grã-Bretanha com a declaração falsa de que seriam um carregamento de plásticos.
O Brasil multou as três companhias que importaram o lixo --a Stefenon Estratégia e Marketing, a Bes Assessoria e Comércio Exterior e a Alphatec--, informou o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), dizendo ainda que as empresas terão que pagar pelo transporte do lixo de volta à Inglaterra.
"Se não enviarem o lixo de volta, serão multadas [em um valor diário] até isso se resolver", disse Ingrid Oberg, chefe regional do Ibama em Santos. A multa diária será somada às multas fixas que o governo já aplicou às empresas.
Alguns dos contêineres cheios de lixo estão atracados nos portos desde novembro.
Houve confusão em relação a quem pagará a conta pela devolução do lixo.
A Agência do Meio Ambiente britânica disse, na segunda-feira, que a empresa que exportou o lixo ao Brasil também terá que repatriá-lo às suas próprias custas.
Ingrid Oberg disse que as empresas brasileiras, sediadas no Rio Grande do Sul, mostraram disposição em cooperar.
As empresas, que disseram estar esperando carregamentos de plástico, poderão contestar as multas se conseguirem provar que não tinham conhecimento de estarem importando lixo potencialmente prejudicial ao ambiente e à saúde pública.
As autoridades britânicas também estão investigando como o lixo acabou sendo exportado.

O dia em que o Dorival encarou a guarda

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Data Histórica: 40 anos da chegada do homem a Lua

Em 20 de julho de 1969, exatamente às 23 horas, 56 minutos e 20 segundos de Brasília, o astronauta americano Neil Armstrong, 38 anos, entrava para a história como o primeiro homem a pisar na Lua e avistar a Terra de lá.
A bordo da nave Apolo XI, ele, Edwin Aldrin, conhecido como "Buzz" (zumbido) e Michael Collins cumpriram a missão de alunissar (aterrisar na Lua) após levantarem vôo em 16 de julho do mesmo ano. Como comandante da Apolo XI, Armstrong pilotou o módulo lunar com Aldrin, enquanto Collins permaneceu no outro módulo em órbita lunar. Por quase duras horas e meia, os dois coletaram amostras do solo lunar, fizeram experimentos e tiraram fotografias.
O mundo inteiro permaneceu em alerta naquele dia. Nada menos que 850 jornalistas de 55 países registraram o acontecimento. E estima-se que cerca de 1,2 bilhão de pessoas testemunhavam via satélite a alunissagem, considerada impossível tempos atrás. Muitos, inclusive, ainda duvidam de que tal fato tenha realmente acontecido, mesmo com tantas outras missões tripuladas que se lançaram no espaço, após Armstrong ter colocado seu pé esquerdo, coberto pela bota azul, no chão fino e poroso do solo lunar.
"Este é um pequeno passo para o homem, um gigantesco salto para a humanidade" ("That's one small step for man, one giant leap for mankind"), frase dita pelo astronauta, ouvida no mundo inteiro.
Porém hoje algumas evidências baseadas em informações tecnicas e cientificas colocam em xeque se o homem relamente esteve na Lua.
No site : http://www.afraudedoseculo.com.br/ o autor do texto André Basilio expõe os fatos usando as imagens fornecidas pela Nasa.
Vale a pena a visita e fica a pergunta:
Será que o homem realmente pisou na Lua em 20 de julho de 1969???

O Brasil vai devolver lixo exportado pela Inglaterra, afirma governo

20/07/2009 - 17h49

CHRISTIAN BAINES
colaboração para a Folha Online

O ministro da Secretaria Especial de Portos, Pedro Brito, afirmou nesta segunda-feira, após reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que o Brasil vai devolver os contêineres de lixo vindos da Inglaterra. "Não tem nenhum cabimento nós estarmos recebendo qualquer tipo de lixo", disse.

Brito também pediu maior fiscalização dos portos internacionais e disse que a Receita Federal e Polícia Federal já adotaram medidas para evitar novos casos de transporte ilegal de lixo.

Na última sexta-feira, 25 contêineres com lixo doméstico foram encontrados pela alfândega no Porto de Santos. No começo do mês, já haviam sido interceptados outras 26 cargas com mesmo tipo de material. No total, o lixo acumulado no porto de Santos pesa cerca de 680 toneladas.

Dois portos do estado do Rio Grande do Sul também receberam despejo de lixo da Inglaterra. No porto de Rio Grande, há 40 contêineres e no porto seco da Serra Gaúcha, em Caxias do Sul, mais oito. Essas cargas totalizam cerca de 890 toneladas.

A agência britânica de Meio Ambiente anunciou ontem que mais de 1.400 toneladas de lixo exportadas ilegalmente para o Brasil serão levadas de volta. Segundo a agência, Londres e Brasília negociam a repatriação desse material.

"As autoridades brasileiras continuam retendo o lixo", disse uma responsável da agência, Liz Parks, à BBC. "Mas elas devem autorizar rapidamente sua repatriação, que pode levar semanas", informou.

Com agências internacionais

Comentário pessoal : Já não basta os problemas que nós temos por aqui???

Amigão Zão

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Hoje é o dia da Pizza

Vamos comemorar né? Mas sem abusar!!!!

A história da pizza começou há seis mil anos acredita-se embora faltam fontes para confirmar que os egipcios foram os primeiros a misturar farinha com água. Alem dos babilônicos e dos hebreus que faziam um massa e assavam em fornos rusticos há pelo menos 5000 anos. Outras fontes afirmam que os pioneiros são os gregos, que faziam massas a base de farinha de trigo, arroz ou grão de bico e as assavam em tijolos quentes.
Já os fenícios, três séculos antes de Cristo costumavam acrescentar coberturas de carne e cebola ao pão; os turcos muçulmanos adotavam esse costume durante a Idade Média e por causa das cruzadas essa prática chegou à Itália pelo porto de Nápoles, sendo em seguida incrementada dando origem à pizza que conhecemos hoje.
No início de sua existência, somente as ervas regionais e o azeite de oliva eram os ingredientes típicos da pizza, comuns no cotidiano da região. Os italianos foram os que acrescentaram o tomate, descoberto na América e levado a Europa pelos conquistadores espanhóis. Porém, nessa época a pizza ainda não tinha a sua forma característica, redonda, como a conhecemos hoje, mas sim dobrada ao meio, feito um sanduíche ou um calzone.A pizza era um alimento de pessoas humildes do sul da Itália, quando, próximo do início do primeiro milênio, surge o termo "picea", na cidade de Nápoles, considerada o berço da pizza. "Picea", indicava um disco de massa assada com ingredientes por cima.
Italiana, grega, egipcia..não importa o que importa que essa maravilha faz parte do nosso cardapio e por isso, vamos aproveitar o dia de hoje para comemorar.
Buona Apetit

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Revolução Constitucionalista 09 de julho



A Revolução Constitucionalista de 1932, também chamada de Revolução de 1932 ou Guerra Paulista, foi o movimento armado ocorrido no Brasil entre os meses de julho e outubro de 1932, foi a malfadada tentativa do Estado de São Paulo de derrubar o Governo Provisório de Getúlio Vargas e a promulgar uma nova constituição para o Brasil.
Foi uma resposta paulista à Revolução de 1930, a qual acabou com a autonomia que os estados gozavam durante a vigência da Constituição de 1891. A revolução de 1930 impediu a posse do governador de São Paulo Júlio Prestes na presidência da República e derrubou do poder o presidente Washington Luís, que fora governador de São Paulo de 1920 a 1924, colocando fim à República Velha.
Atualmente, o dia 9 de julho que marca o início da Revolução de 1932, é a data cívica mais importante do estado de São Paulo e feriado estadual. Os paulistas consideram a Revolução de 1932 como sendo o maior movimento cívico de sua história.
Foi a primeira grande revolta contra o governo de Getúlio Vargas e o último grande conflito armado ocorrido no Brasil.
No total, foram 87 dias de combates, (de 9 de julho a 4 de outubro de 1932 - sendo o último dois dias depois da rendição paulista), com um saldo oficial de 934 mortos, embora estimativas, não oficiais, reportem até 2.200 mortos, sendo que inúmeras cidades do interior do estado de São Paulo sofreram danos devido aos combates.
São Paulo, depois da revolução de 32, voltou a ser governado por paulistas e dois anos após, uma nova constituição foi promulgada, a Constituição de 1934.

sábado, 4 de julho de 2009

4 de julho: Independência dos Estados Unidos



No dia 4 de julho de 1776 foi assinado a Declaração da Independência dos Estados Unidos da América , esse documento no qual as Treze Colônias na América do Norte declararam sua independência do Reino Unido.

considerado o dia da independência dos Estados Unidos.
As treze colônias tomaram este passo, pois os britânicos estavam se aproveitando da América do Norte, com impostos para pagar o prejuízo das guerras feitas pelos ingleses, então as treze colônias tomaram a decisão de criar A Declaração da Independência dos Estados Unidos da América.
Acontecimentos durante a colonização da América, que revoltaram as treze colônias
Guerra dos sete anos (Ingleses e Franceses lutaram para conseguir os territórios da América do Norte, no final a Inglaterra ganhou, mas também com essa guerra gastou muito dinheiro, acabou tendo que implantar impostos nas colônias da América do Norte).
Lei do selo (Todos os documentos oficiais que passassem nas colônias exceto livros e jornais deviam conter selos comprados da metrópole).
Lei do açúcar: foi aprovada em 5 de abril de 1764 pelo Parlamento inglês. Essa lei substituía e Lei do Melado, de 1733, e tinha como objetivo por um fim no contrabando e de proteger os agricultores ingleses radicados nas Antilhas. Taxava o açúcar que entrava nos Estados Unidos da América e que não fosse comprado das Antilhas inglesas. Sendo matéria-prima do rum, e este por sua vez, juntamente com o tabaco eram utilizados pelos colonos para comprar escravos na África, a lei desagradou muitos os habitantes da então colônia inglesa.
Festa do Chá de Boston (Boston Tea Party: O governo inglês, para favorecer a decadente Companhia das Índias Orientais, que estava à beira da falência, concedeu-lhe o monopólio da venda do chá para as colônias americanas. Disfarçados de índios, os colonos jogaram ao mar o carregamento de chá trazidos pela Companhia das Índias Orientais, cujo preço baixo arruinaria os comerciantes locais, que se abasteciam em outras paragens).
Logo após a declaração o país se preparava para delegar poderes aquele que seria o primeiro presidente dos Estados Unidos.: George Washington em 1789 com John Adams como o vice.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Filme: Morte ao Rei

Para quem está de bobeira durante as férias uma boa pedida é assistir ao filme Morte ao Rei. Inglaterra, 1645. A nação está em ruínas. A guerra civil que dividia o país terminou. Os Puritanos derrubaram o Rei Charles I- Carlos I- (Rupert Everett), ganhando assim a batalha contra a corrupção. Surgem dois heróis pós-guerra: Lorde General Thomas Fairfax (Dougray Scott) e o General Oliver Cromwell (Tim Roth). A missão de ambos é unir e reformar o país. Fairfax, membro da aristocracia, quer uma reforma moderada enquanto Cromwell exige a execução do Rei. O rei deposto acredita que o seu reinado foi roubado por Fairfax e está determinado a reconquistá-lo. Encontra em Lady Anne Fairfax (Olivia Williams), uma simpatizante que se mantém fiel à monarquia. Fairfax se encontra cada vez mais dividido entre a fidelidade à esposa, Lady Anne, preservando sua classe social, e à causa revolucionária de seu companheiro. Cromwell age de forma cada vez mais agressiva e brutal e Fairfax percebe que precisa detê-lo, iniciando-se assim uma batalha onde a traição e a conspiração são as principais armas dos dois homens mais poderoso do pais.